1 de fevereiro de 2021

Wrap Up Semanal Brasil

Déficit record nas contas públicas

Em pleno cenário de pandemia, que exigiu fortes dispêndios de dinheiro e incentivos fiscais por parte do governo, o  rombo nas contas públicas encerrou 2020 com recorde histórico, não obstante, abaixo do estimado pelo Ministério da Economia – devido a alguns gastos aquém do esperado, como Previdência.

O grande responsável pelo déficit, por sua vez, foi o Tesouro, que devido às medidas decorrentes da Covid-19, como o auxílio emergencial, acabou fechando o ano de 2020 com um déficit de R$483,4 bilhões.

No que diz respeito ao montante poupado do Regime Geral de Previdência Social em 2020, o mesmo deve ser realocado para maiores despesas em 2021, como o aumento do salário mínimo.

Início da vacinação de idosos em SP e compra de novas vacinas do Instituto Butantan

Começa no dia 8 de fevereiro a fase em que idosos acima dos 90 anos serão vacinados. Já, no dia 15 de fevereiro, começa a vacinação da população entre 85 e 90 anos. As estimativas são de que aproximadamente 500 mil idosos serão vacinados nas duas datas.

Ainda não se sabe a data em que os logo abaixo dessa faixa etária receberão a vacina, mas segundo o próprio governo do estado de São Paulo, estes fazem parte do grupo prioritário.

Após alguns dias de indefinição, o Ministério da Saúde se manifestou dizendo que irá firmar contrato para aquisição das 54 milhões de doses disponíveis da Coronavac. Assim, dá fim na possibilidade de exportação destas doses para outros países na América Latina.

Após Game Stop, investidores brasileiros tentam replicar a estratégia com ação do IRB

A rede de lojas que vende jogos para computador, Gamestop acumula uma valorização de 300% em 2021. A empresa sofreu muito com a pandemia, fazendo com que grandes gestoras apostassem na queda do papel, assumindo posições vendidas. Nesse contexto, um grupo de investidores combinou a compra dos papeis em massa. O aumento no valor da ação obrigou os investidores que estavam “vendidos a descoberto” a zerarem suas posições, impulsionando ainda mais a alta das ações.

Na semana passada, houve um grupo de investidores do IRB no aplicativo de mensagens “Telegram” combinando a compra das ações para segurá-las e não disponibilizar os papeis para o aluguel. O objetivo é fazer com que investidores que estejam vendidos a descoberto tenham que recomprar as ações, promovendo uma alta no papel, como no caso dos EUA. Na quinta-feira (28) a ação teve valorização de 16%.

Porém o mercado brasileiro é diferente do internacional. Aqui temos apenas uma bolsa de valores, a B3, que concentra a negociação, custódia e liquidação de ações. Outra diferença é que a B3 limita a 20% o free float para operações de BTC. Já nos EUA, existem diferentes bolsas de valores e empresas separadas que fazem a liquidação, além de não ter uma limitação de free float para as operações de BTC, o que facilitou esse movimento chamado de “short squeeze”. No Brasil isso dificilmente ocorrerá nas mesmas proporções, graças a verticalização da B3 e de medidas de segurança.

Internacional

Níveis de dívida pública continuam a subir  

Como consequência de estímulos fiscais no combate à pandemia, a dívida pública dos países atinge números semelhantes àqueles do fim da Segunda Guerra. O Fundo Monetário Internacional divulgou em janeiro números referentes a estímulos fiscais ao redor do mundo, que atingiram em torno de 14 trilhões de dólares. Dessa forma, a dívida pública global chega próxima a 98% do PIB. Os países desenvolvidos foram os mais endividados durante a crise, com 123% do PIB, enquanto os emergentes chegam a 63%. A persistência das infecções, enquanto as vacinações ainda aceleram, leva países a anunciarem novas medidas ou extensão de programas em andamento. Assim, espera-se maiores ajustes fiscais nos próximos anos.

Protestos na Índia resultam em violência

Desde setembro do ano passado, agricultores indianos demonstram frustração com reformas agrícolas votadas pelo governo. Dezenas de milhares de manifestantes destinaram-se a Nova Deli, durante o feriado tradicional Dia da República, na última terça-feira, causando confrontos com a polícia. A nova legislação é composta por três partes, que visam uma desregulação do setor. Há um grande receio que produtores percam suas garantias de preços, algo do qual o governo discorda. Foi proposta uma suspensão de 18 meses das reformas, mas os protestantes desejam remoção total. Quase 58% dos indianos trabalham na agricultura, em um país com 1,4 bilhões de pessoas. A participação do setor na economia fica em torno de 16% do PIB.

Principais índices financeiros


Bolsa

Em queda de 2.312,94 pontos, o Ibovespa fechou mais uma semana em baixa. Com déficit de -1,97%, o índice voltou para o patamar dos 115.000 pontos, encerrando o período a 115.068 pontos. No mês, o índice acumulou perda de 3,32%. O desempenho é reflexo da aversão ao risco nos EUA, com os acontecimentos do “short-squeeze” dessa semana. A cruzada de investidores de varejo contra os grandes fundos resultou em alta volatilidade em papéis que estavam em tendência de queda. Nos EUA, o principal foi a GameStop, enquanto no Brasil, a IRB foi o centro das atenções. As indefinições políticas no Brasil também geraram incertezas nos investidores devido a temas como a Greve dos Caminhoneiros e a disputa pela presidência do Senado e da Câmara, que definirá o rumo das reformas e consequentemente a situação fiscal do país.

Além disso, o mercado deixa o otimismo de lado quando percebe que a vacinação está perdendo a corrida contra o Covid-19 no mundo. Destaques para a Petrobras em queda de -3,85%, o Itaú em -3,58% e o IRB com -6,12%.

Dólar

Já o dólar teve leve queda de 0,16%, chegando a R$ 5,47. Com os fatos e indecisões dessa semana, a moeda “andou de lado” e ainda se encontra em altos patamares. No mês, teve ganho de 5,46% frente ao real. Os principais fatores que levaram ao resultado foram a lentidão do programa federal de vacinação e o lapso da solução governamental para a pandemia e a questão fiscal do país, que já se encontra no limite do teto de gastos nacional.

 

QUERO SABER MAIS SOBRE INVESTIMENTOS

Últimas notícias
Veja todos os insights